Instagram shopping vai incluir criadores de conteúdo a partir de 9 de julho

Segundo o blog do Instagram for Business a partir de 9 de julho o Instagram Shopping terá novos requisitos de qualificação. A mudança vai incluir o recurso de compras para mais tipos de empresas e marcas e, principalmente, criadores de conteúdo.

O objetivo da mudança é expandir o acesso ao recurso de compras. Qualquer empresa ou conta de criador de conteúdo qualificada, seja ela de uma marca de velas, de um músico ou blogueiro de gastronomia, poderá usar as tags de preço. Mas para isso, é preciso ter pelo menos um produto registrado para levar as pessoas ao seu site para comprar.

Com essas novas políticas e novos critérios de qualificação, as empresas devem marcar produtos no Instagram levando para um único site de sua propriedade. Assim, as pessoas terão uma experiência de compra consistente e confiável.

O Instagram também informa que vai atualizar o fluxo de cadastro para dar orientações mais claras às marcas e mais transparência nos tipos de empresas que estarão mais aptos a usar o novo recurso de vendas.

Quando as empresas se cadastrarem no Instagram Shopping, elas serão notificadas assim que aprovadas e estarão prontas para começar a marcar produtos. Se uma empresa não for aprovada, o Instagram diz que explicará o motivo para que ela possa tomar as medidas necessárias ou fazer uma apelação.

Novas empresas passarão por nosso fluxo de integração atualizado. As empresas que já estiverem cadastradas no Shopping receberão uma notificação no aplicativo nas próximas semanas com instruções sobre como entrar em conformidade, se necessário.

Quando começa a funcionar?

Os requisitos atualizados entram em vigor em 9 de julho em todos os países onde o recurso Instagram Shopping é aceito. Haverá maior transparência para pessoas e empresas, bem como uma experiência de compra mais confiável, segundo informa o Blog da empresa.

Quais tipos de posts fazem sucesso no Facebook e no Instagram?

Segundo estudo realizado pela Socialbakers no primeiro trimestre de 2020 que analisou perfis de marcas em todo o mundo, as imagens representam cerca de 71% de todo o conteúdo publicado no Instagram e no Facebook. Mas você sabe quais tipos de posts fazem sucesso nessas redes sociais?

No Instagram, vídeos e postagens de carrossel, que podem incluir imagens e / ou vídeos, são usados aproximadamente na mesma quantidade, cerca de 14%. Apesar desse tipo de post ser pouco produzido, ele tem registrado a maior parte das interações, média de 135 interações por post carrossel, conta 100 interações em posts com fotos e 80 interações em posts com vídeo.

No Facebook, o vídeo é o segundo tipo de postagem mais comum (15,9%), seguido por links e atualizações de status. Os vídeos do Facebook Live, que na verdade recebem o maior número de interações orgânicas de postagem, média de 31 interações, são usados apenas 0,5% do tempo.

Quais tipos de posts fazem sucesso no Instagram e Facebook?

Dados da Socialbakers mostra quais tipos de posts fazem sucesso no Facebook e Instagram

Os posts com fotos recebem cerca de 17 interações e os vídeos, média de 15 interações orgânicas.

Portanto, invista em posts carrossel no Instagram e em Facebook Lives.

WhatsApp Pay: Brasil é o primeiro país ter sistema de pagamento

Brasil é o primeiro país a receber o WhatsApp Pay. O novo recurso que permite efetuar pagamentos, enviar e receber dinheiro pelo aplicativo, foi anunciado ontem, 15/06, por Mark Zuckeberg, CEO do Facebook, empresa dona do WhatsApp.

Mark Zuckerberg anuncia Whatsapp pay

Mark Zuckerberg anuncia Whatsapp pay

“Hoje, nós lançaremos o sistema de pagamentos para pessoas que usam o WhatsApp no ​​Brasil. Estamos facilitando o envio e o recebimento de dinheiro assim como o compartilhamento de fotos. Também estamos permitindo que pequenas empresas façam vendas diretamente no WhatsApp. Para isso, criamos o Facebook Pay, que fornece uma maneira segura e consistente de efetuar pagamentos em nossos aplicativos”, disse Mark Zuckerberg, CEO do Facebook.

O serviço de transferências é realizado pelo Facebook Pay, para utilizar o serviço é necessário configurar um cartão de débito ou crédito na plataforma. O recurso também não cobra taxas de serviço dos usuários, nem para transferências via cartão de débito ou para pagamentos via cartão de crédito ou débito.

Para usuários de contas pessoais, o WhatsApp terá o limite de R$ 1 mil reais por transação. Por dia, podem ser realizadas até 20 transações, mas os valores de transferência não poderão ultrapassar R$ 5 mil por mês. O WhatsApp também não cobra tarifas pelas transferências entre contas pessoais, nem para pagamentos de compras realizadas em empresas no WhatsApp Business.

Já para as empresas cadastradas no WhatsApp Business, não há limite nos valores de transações, mas o App cobrará uma taxa de processamento por vendas, que é fixada em 3,99%.

Neste momento a plataforma está trabalhando com as seguintes instituições financeiras: Banco do Brasil, Nubank, Sicred e Cielo.

O WhatsApp Pay será disponibilizado, gradualmente, nas próximas semanas.

Facebook lança novo recurso para vendas online

No último dia 19/05 o Facebook anunciou um novo recurso de comércio eletrônico em sua rede social. A novidade recebeu o nome de Facebook Shops e tem como objetivo apoiar e incentivar os pequenos negócios. O novo serviço estará disponível no Facebook, Instagram e Whatsapp.

Assim como em uma loja virtual, as empresas poderão criar um catálogo de produtos, com preços e finalizar pagamentos. As contas também poderão ser vinculadas aos apps de comunicação instantânea de cada rede social (Messenger e Direct) para acompanhamento de entregas, atendimento e suporte aos consumidores.

Veja como vai funcionar o Facebook Shops:

De acordo com o Facebook será possível “salvar produtos que você esteja interessado e fazer um pedido – no website do negócio ou sem sair do aplicativo, se a loja tiver habilitado o checkout”. Esse último recurso, que permite comprar diretamente no app, estará disponível apenas nos Estados Unidos.

Conforme publicação no Blog do Facebook qualquer vendedor, não importa seu porte ou orçamento, pode colocar seus negócios online e se conectar com os clientes onde e quando for conveniente.

Neste momento o Facebook Shops está disponível somente nos Estados Unidos. Ainda não foi informado quando o recurso estará disponível no Brasil.

Mais novidades

Nos próximos meses a empresa de Mark Zuckerberg ainda planeja trazer outras funcionalidades que vão ajudar a monetizar a rede social como botão de compras em vídeos do Facebook, em lives do Instagram.

Facebook pretende lançar novos recursos para vendas online nos próximos meses

Facebook pretende lançar novos recursos para vendas online nos próximos meses

Diante dessa novidade, você ainda tem dúvidas de que precisa colocar seu negócio online?

Novo cliente #StatusCom: WiBX

É com muita alegria que comunicamos que a WiBX, primeira criptomoeda brasileira, agora faz parte do portfólio de clientes da nossa agência. Pautas, entrevistas sobre o mercado de moedas virtuais, varejo, economia, negócios, dinheiro e tecnologia, entre em contato conosco!

Saiba mais sobre a WiBX:

Descubra as vantagens e funcionalidades da primeira criptomoeda de usabilidade brasileira

Ganhar sem sair de casa e apenas com um smartphone é mais fácil do que se imagina. Esta é a principal funcionalidade da WiBX, primeira moeda virtual exclusiva para as relações de troca entre marcas e consumidores do setor de varejo.

Lançada há um ano, a WiBX é um utility token que pode ser trocado por produtos e serviços ou por dinheiro em casas de Exchange focadas em moedas virtuais. Para conquistar unidades de WiBX basta baixar o aplicativo (Apple, Google e WebAPP) no celular e efetuar um cadastro gratuito (para usuário final). Os usuários são recompensados com o token após o compartilhamento de campanhas e recomendações de varejistas em suas redes sociais.

Além da vantagem de troca da moeda por produtos e serviços de varejo, em breve os usuários poderão também comprar, vender e trocar seus tokens nas Exchanges, como a Mercado Bitcoin, que possui uma carteira de mais de um milhão de clientes. A expectativa é que a WiBX seja listada até o final de fevereiro.

Tecnologia

A principal inovação tecnológica da WiBX está na utilização de duas Blockchains sincronizadas. A moeda pode rodar em exchanges, além de ser auditável por qualquer usuário da plataforma. Um sistema proprietário batizado de BCH – Blockchain Handler foi criado para permitir esse sincronismo entre Blockchains. O resultado: o modelo, conhecido como Sidechain, garante não somente os pagamentos digitais, bem como a velocidade de transações em PDVs dos clientes, através, por exemplo, de dispositivos de NFC (Near Field Communication). Na WiBX, as ações dentro da plataforma têm a capacidade de pelo menos quatro mil transações por segundo.

A empresa também sai na frente quando o assunto é tecnologia de ponta: a WiBX possui um núcleo de pesquisa e desenvolvimento avançado, o STAMPS (Soluções Tecnológicas Aplicáveis a Mídias e Produtos Sociais), executado pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica). O Projeto STAMPS representa uma cooperação para investigação de linhas de pesquisa envolvendo tecnologias de inteligência artificial, blockchain, segurança, teoria de jogos, computação quântica, detecção de fraudes, internet das coisas (IoT – internet of things) e aprendizado de máquina (Machine Learning – ML). O objetivo é o de aumentar a eficiência de negócios seguindo a Metodologia do ITA para gerar um intercâmbio de melhores práticas entre o mercado e a academia.

Mais informações

À frente da empresa estão os sócios Pedro Alexandre e Vagner Sobrinho. A startup ainda conta com um time de peso de conselheiros como Guga Stocco da Gr1d, Caco Alzugaray da Editora 3, Felipe Miranda e Caio Mesquita da Empiricus e Acta Holding, Felipe Prata da Nest Investimentos, Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo, Cristiano Melles, presidente da Associação Nacional de Restaurantes, entre outros. A startup tem ainda uma preocupação social: um percentual de todas as ações realizadas dentro da plataforma também se converte ao projeto WiBX Social, que será destinado a causas de inclusão socio-digital da população brasileira.

Mais informações acesse: https://wibx.io/

Ter o próprio canal de comunicação para falar com a imprensa é tendência

Com redações cada vez mais enxutas e veículos de comunicação fechando as portas, como o Jornal DCI que publicou sua última edição no dia 23/09/19, ter seu próprio canal de comunicação é uma boa saída para as empresas. O Hospital Albert Einstein, por exemplo, lançou no último dia 16 sua agência de notícias de saúde que irá disponibilizar oito matérias semanais para a imprensa brasileira. Serão reportagens, entrevistas, fotos e infográficos sobre saúde, ciência e bem-estar. Para ter acesso ao conteúdo basta que os veículos de comunicação façam um cadastro gratuito pelo site.

A novidade foi idealizada pela agência de relações públicas Jeffrey Group Brasil. Em matéria publicada pelo site Meio&Mensagem a diretora executiva da agência, Debora Pratali, explica que durante um ano trabalharam no desenvolvimento de um projeto editorial pensando em como as informações poderiam alcançar veículos de diversas regiões brasileiras, já que notícias sobre saúde ainda estão muito concentradas na imprensa do eixo Rio-São Paulo. E, mesmo nessas duas capitais, a cobertura aprofundada do noticiário especializado tem enfrentado obstáculos pela diminuição das redações.

Tendência

Já há alguns anos falo para meus clientes sobre a necessidade de ter seu próprio canal de comunicação que pode ser um blog ou até mesmo redes sociais devidamente atualizadas. Quando há produção de conteúdo inédito, especializado e útil, sua marca, empresa ou até mesmo um profissional liberal, chama a atenção não somente de seu público-alvo, mas também pode pautar a imprensa. Quando nos tornamos referência no assunto ou autoridade como se costuma falar atualmente, você será procurado espontaneamente por seu consumidor e, muitas vezes, pela mídia.

Mas isso não acontece da noite para o dia! É preciso periodicidade e consistência no conteúdo que é divulgado. Ah, e não adianta apenas falar bem da sua marca ou do seu produto. Ninguém gosta de autopropaganda. Antes de falar que você é o melhor em determinado assunto, é preciso demonstrar, provar. Como? Entregando conteúdo relevante, disponibilizando informações para quem está em busca de soluções para seus problemas. Os consumidores estão cada vez mais ativos na internet. Antes comprar algum produto ou serviço, de agendar uma consulta com um médico, ele busca informações e referências em sites de busca e nas redes sociais (já falei sobre isso nesse artigo recheado de dados sobre o primeiro semestre de 2019).

Caso de sucesso

Durante 8 anos atendemos uma grande empresa do setor de arquitetura e construção. No início foi difícil fazer a chefia entender da necessidade de ter um blog e estar presente nas redes sociais. Mas depois que os resultados começaram a aparecer como pedidos de orçamentos e dos fornecedores da empresa passar a usar as publicações do blog como clipping de imprensa, tivemos a comprovação de que a empresa tinha se transformado em autoridade na área na qual atuava. Um dos blogs recebia cerca de 40 mil acessos por mês, registrando audiência superior até mesmo a de muitos sites de jornais e portais jornalísticos.

Portanto, ter o próprio canal de comunicação é uma tendência e solução para falar com o público que deseja atingir. Mas para ser eficiente é preciso criar conteúdo exclusivo, consistente, relevante, útil! Esse é um dos melhores caminhos para se transformar em referência na área em que atua e até pautar a imprensa.

Redes sociais é o segundo maior motivador de compras

O relatório Webshoppers 40, que traz dados do primeiro semestre de 2019, apontou que as redes sociais é o segundo maior motivador de compras online e o Facebook (quem diria!) é o destaque das redes. Esse relatório é realizado pela Ebit – Nielsen desde 2001 e é considerado o estudo de maior credibilidade sobre o comércio eletrônico brasileiro e a principal referência para os profissionais do segmento.

De acordo com o relatório sites de busca como Google é o primeiro motivador de compra com 25% das indicações, seguido por redes sociais com 19%. E vejam só, 80% dos consumidores que compram por indicações de redes sociais ficaram satisfeitos em relação ao preço. Também foram os que mais elogiaram a compra.

E se você achava que o Facebook “estava morto” vai rever seus conceitos depois de ver esses dados. A pesquisa mostrou que entre as redes sociais o Facebook representa 53% das motivações de compra, seguido pelo Instagram com 32%. Já o Whatsapp e o Youtube ficaram atrás do Google+!

O Google+ representa 7% das motivações de compra, o Youtube 4% e o Whatsapp apenas 2%!

Os números demonstram que os consumidores estão muito mais ativos do que nunca. Por exemplo, nos anos 2000 o motivador de compra era a facilidade de receber o produto em casa. A partir de 2010 o promotor de compra era o preço e agora são os sites de busca e redes sociais. Ou seja, o consumidor pesquisa e busca informações antes de comprar. Se você ainda não tem um site bem feito ou não está presente nas redes sociais ou está, mas não produz conteúdo relevante para seu consumidor, a tendência é ficar cada vez mais para trás.

O relatório também indica que, quanto maior o conhecimento sobre o perfil dos usuários de internet e das redes, maior a chance de conversão de venda. Informação que comprova a necessidade de construir “personas” antes de sair produzindo ou postando conteúdo. É preciso conhecer bem o seu consumidor, descobrir suas dores, para daí sim produzir conteúdo útil e relevante para gerar vendas em vez de ficar falando sozinho. Memes são divertidos, dizer bom dia é simpático, mas seu público quer mesmo é informação, mas não é qualquer informação, o consumidor quer é encontrar solução para seus problemas.

Dos consumidores do primeiro semestre de 2019, 5,3 milhões fizeram a sua primeira compra online (são novos compradores) e representam 18,1% do total no período.

Outro dado importante que o relatório apresentou foi o aumento substancial do m-commerce. O número de pessoas que realizaram compras usando smartphones cresceu 42%!!! Enquanto as compras no e-commerce, ou seja, através de desktop (computador de mesa) aumentou 12%. O que isso significa? Com o computador você compra a qualquer hora. Com o smartphone você compra a qualquer hora e de qualquer lugar! Por isso, design responsivo, navegação simples, fácil e rápida são fundamentais.

 

Instagram libera plataforma para criação de filtros

Que tal ter seu próprio filtro para usar nos Stories do Instagram? Agora isso é totalmente possível! A plataforma Spark AR, do Facebook, foi liberada ontem, 13/08, para qualquer pessoa criar seus próprios efeitos personalizados.

Antes de liberar a plataforma para a comunidade, o Instagram realizou testes com, artistas, designers e desenvolvedores selecionados. Gratuito, o Spark AR é mais uma importante ferramenta para marcas brasileiras se conectarem com seu público assim como grandes contas e personalidades como Kylie Jenner, Ariana Grande, Rihanna e Gucci já vinham fazendo com seus filtros customizados.

Tem mais uma novidade: o Instagram anunciou uma nova ferramenta chamada “Galeria de Efeitos”, que permitirá encontrar com mais facilidade os filtros para aplicar na publicações. Segundo a empresa, quando o usuário for procurar pelos efeitos de câmera do Instagram, vai encontrar um item chamado “Ver Efeitos” ao fim da bandeja de filtros, onde será possível descobrir novidades.

Facebook anuncia novo design e funcionalidades

Na conferência F8 que aconteceu na última terça-feira (30/04), Mark Zuckerberg anunciou mudanças significativas pelas quais passarão o Facebook. A rede social passará por um redesign, terá mudanças de layout e vai impulsionar as interações “privadas”, tirando o foco das notícias que rendeu muitos problemas para Zuckeberg nos últimos tempos.

Novo design e layout

O Facebook vai abandonar a barrinha azul colocando em seu lugar um modelo mais clean, na cor branca, se assemelhando muito a outros apps da empresa como o Messenger e o Instagram. Os Stories e os vídeos também ganharão destaque. O layout de três colunas continua, mas com conteúdo maior e mais legível. Quem não gostar da versão branca do Facebook terá a opção de um modo escuro.

Os grupos também terão maior destaque no novo Facebook, no menu esquerdo, e será possível postar direto da página inicial, assim como postamos uma atualização de status. Eles também vão ganhar novas funcionalidades conforme a categoria dos grupos. Por exemplo, um gripo de suporte a saúde ou grupos de jogos terão recursos como perguntas anônimas e conversas protegidas. Os usuários verão mais conteúdo de grupos no Feed e receberão mais recomendações para participar de outros grupos que sejam considerados relevantes para seus interesses. A proposta de Zuckerberg é fazer com que o Facebook seja uma rede que conecta pessoas a outras que possuem interesses parecidos (seria o renascimento do Orkut?).

Friends & Dating
O Facebook também vai sugerir novos amigos com base nos interesses dos usuários, grupos ou localizações compartilhadas.

Para quem estiver em busca de algo além de uma simples amizade, terá o Facebook Dating, um concorrente do Tinder. A novidade terá a função “Crush Secreto”, que tem o objetivo de facilitar a conexão entre os usuários que têm interesse mútuo. O usuário poderá marcar até 9 pessoas de sua lista de amigos como “Crush” e caso alguma das pessoas que você marcou também tenha te marcado como crush, o app vai alertar ambos sobre as marcações, dando aquele empurrãozinho para que os dois criem coragem e chamem o outro para sair.

Compras e eventos
O Marktplace do Facebook também receberá novas funções. Com as mudanças o aplicativo vai permitir que os usuários efetuem pagamentos e façam o rastreamento do envio das encomendas direto pelo Marketplace, sem a necessidade de usar outros aplicativos (o Instagram também está testando essa funcionalidade, saiba mais aqui).

O app Facebook Local também receberá melhorias. Ele deve se unir a aba de eventos e passará a indicar lugares para ir naquele momento e mostrará todos os eventos da região nos quais seus amigos têm interesse em comparecer.

Quando as mudanças começam?

Segundo Mark Zuckerberg as mudanças começariam a partir do dia 30/04 a princípio para os app do Facebook em dispositivos móveis. É possível que até o fim de semana todos os aparelhos já tenham acesso à nova versão da rede social. Já a versão desktop ainda levará alguns meses para ser disponibilizada.